quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

HISTÓRIA DA MAQUIAGEM (1)

Oi gente! Hj acordei com uma coisa na minha cabeça. Pesquisar sobre a  maquiagem e postar aqui prá vcs, tudo o que eu encontrar sobre ela ao longo da história. Bom, tem muito material e eu selecionei o que considerei mais importante. Vou postar por capítulos prá que vcs possam ler tudo e acompanhar a história, certo? Então hj temos a primeira parte. Espero que gostem e comentem bastante.

Registro na História - período paleolítico

No período paleolítico, o homem começa a se reunir em grupos, fixando-se na terra ficando mais sedentário e com isso surgem os primeiros sinais da vaidade no homem.
Com as diferenças hierárquicas, dentro desses grupos, os Chefes enfeitavam-se com garras e dentes de animais ferozes.
Já os feiticeiros e curandeiros adornavam o corpo com pinturas “mágicas”..
Com a evolução do homem surgem as primeiras pinturas de guerras, mais tarde surge na mesopotâmia produtos de maquiagem a base de carvão para os olhos, henna e outros resíduos naturais.


Segundo a história, a maquiagem surge no ano 330 a.C.  No Oriente Médio, os habitantes pintavam seus corpos com cores rudimentares, especialmente o ocre e o negro, extraídos de minerais e diluídos em água, para reverenciar os deuses durante rituais religiosos. Tempos depois, os egípcios criaram óleos perfumados, a fim de proteger os corpos da intensidade do sol e do ataque de insetos. 
Interessante notar que na antiguidade se utilizavam produtos minerais para a confecção das colorações, coisa que se vê entre costumes indígenas até os dias de hj. Vemos que na atualidade existe uma forte tendência ao retorno da utilização de fontes naturais de pigmentação e o incremento nas pesquisas de minerais que podem servir como matéria prima para esse fim. É o que vemos nas maquiagens minerais que não utilizam metais em suas composições conferindo as makes, textura natural e que não prejudica a pele. Mas vamos adiante na história.

A palavra Cosmético vem do grego Kosmetikós e quer dizer "o que serve para ornamentar, enfeitar"
Porém, pelo que pude verificar, as referências mais comuns sobre a utilização da maquiagem, apesar de trechos incluidos no Antigo Testamento que datam de 400 A.C., aparcem tendo o Egito como seu berço. É lá que se encontram os primeiros registros do uso de cosméticos. 




No Egito a maquiagem tornou-se parte da higiene diária e toma função de requinte. Começa então a maquiagem como ritual de beleza.Os faraós pintavam os olhos para que evitasse que as pessoas olhassem-no diretamente, era um símbolo político de respeito. Mais ou menos na mesma época, Cleópatra já usava pó khol nas pálpebras, assim como tomava banho de leite e usava argila no rosto. Começa a distinção das classes sociais através do uso de maquiagem e também a distinção entre homens e mulheres. As mulheres deveriam ter a pele clara e os homens a pele escura. Conta-se que as primeira pinturas nos olhos eram feitas de picumã (fumaça preta que sai dos fogões a lenha e gruda nas paredes).



Já os Gregos tinham mais preocupações com a saúde e a beleza do corpo do que com a maquiagem propriamente dita. A maquiagem era usada sim, porém não como na Babilônia e no Egito.

Passando para Roma, as mulheres usavam máscaras de farinha, miolo de pão e leite durante a noite sobre o rosto para melhorar a pele. 
Dizia-se que Popéia tinha a pele muito branca graças ao resultado de constantes banhos em leite de jumenta. Ela lançou moda e todas as romanas abastadas eram dadas às máscaras noturnas, onde ingredientes como farinha de favas e miolo de pão se combinavam ao leite de jumenta diluído para formar papas de beleza. Mas a verdade é que a bela complementava seus tratamento de clareamento da pele maquilando as veias dos seios e testa com tintura azul. Esta aparência translúcida foi imitada em misturas de giz, pasta de vinagre e claras de ovos durante muitas décadas. Conta a lenda que Psyché foi buscar no inferno o segredo da pele branca da deusa Vênus, trazendo a cerusa, ou alvaiade, para compor suas fórmulas mágicas. 
Até a Renascença italiana esse mesmo alvaiade era usado durante o dia pelas lindas mulheres nobres, que à noite cobriam suas faces com emplastros de vitelo crú molhado no leite afim de minimizar os efeitos nocivos causados pelo alvaiade. Prá quem não sabe (eu não sabia) o Alvaiade é um pó branco 100% mineral apresentado em granulometria devidamente controlada e adequada aos usos à que se destina. Hj em dia é utilizado em mistura de cimento (meu Deus!!!)
Acredita-se que o rouge (equivalente ao blush nos dias de hoje) tenha surgido na Grécia, da mistura de pigmento vegetal vermelho com gorduras e era usado para corar as bochechas.


No Japão, do século IX ao XII, período de Heian, a valorização da pele branca era regra geral. Para obter a aparência extremamente clara as mulheres aplicavam um pó espesso e argiloso feito de farinha de arroz, chamado oshiroi. Depois passaram também à usar o beni, pasta feita do extrato de açafrão, para colorir as maçãs do rosto.
Aproximadamente em 150AC o físico Galeno criou o 1º creme facial do mundo, adicionando água à cera de abelha e óleo de oliva. Mais tarde o óleo de amêndoas substituiu o azeite e a incorporação de bórax contribuiu para a formação da emulsão, minimizando o tempo de processo. Estava aí a primeira base para sustentar os pigmentos de dióxido de titânio e facilitar a aplicação na face; nascia a base cremosa facial.



Bom, gente, por hj é só! Breve mais um capítulo desta interessante história prá vcs! Bjks

3 comentários:

Andrea Fontoura disse...

Muito legal!!! parabens pelo post!! bjbjb

Rafaela Zelenski disse...

conhecimentos é tão bom..ainda mais qdo é um assunto de make....adoro....já estou te seguindo flor...

bjokas da Rafa!!!

Mahaila Mary Kay disse...

Então fiquem ligadas que em breve estarei postando mais sobre a história da make, gurias!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...